Mais de 50 ‘terroristas’ mortos em operações de comandos franceses no Mali

Apoiados por drones armados, helicópteros e caças, os comandos enviados para a Operação Barkhane conduziram três ataques helitransportados no Mali.

Mais de 50 “terroristas” foram “colocados fora de ação” em uma série de operações realizadas no Mali por forças destacadas para a Operação Barkhane entre 20 de dezembro e 5 de janeiro, informou o Ministério das Forças Armadas da França.

A primeira operação entre 20 e 21 de dezembro havia sido anunciada anteriormente pelo presidente francês Emmanuel Macron.

Em um assalto helitransportado a um grande campo em uma área densamente arborizada da região de Mopti, no centro do Mali, “33 terroristas foram neutralizados por várias dezenas de comandos apoiados por helicópteros Tigre em combates que duraram várias horas”, disse o ministério no comunicado de imprensa de quinta-feira, 9 de janeiro.

Relatórios anteriores da AFP colocaram a localização da incursão comando na floresta de Ouagadou, a 150km da cidade de Mopti.

No final do dia 21 de dezembro, os comandos foram atacados enquanto faziam buscas na área. Um drone Reaper que estava apoiando a operação conduziu um ataque aéreo “para neutralizar sete combatentes do GAT* [grupo terrorista armado] que haviam se infiltrado por motocicleta”.

*Nota do Tradutor: Groupe autodéfense touareg, Grupo de Autodefesa Tuaregue.

Este foi o primeiro ataque aéreo realizado por um drone armado francês e ocorreu apenas dois dias depois que a Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, anunciou que o teste de drones pilotados remotamente para operações armadas foi concluído. A França tem um total de cinco drones Reaper. Os três MQ-9 Reapers baseados perto da capital do Níger, Niamey, são capazes de transportar duas bombas GBU-12 Paveway II de 500 libras guiadas a laser. A França deve receber mais seis Reapers que serão capazes de disparar mísseis ar-superfície da Lockheed Martin em 2020, e a frota deve aumentar para 24 em 2030. Parly tomou a decisão de armar os drones de vigilância da França em setembro de 2017.

Um gendarme maliano e um membro das Forças Armadas Malianas (FAMa) que haviam sido mantidos reféns foram libertados e “vários veículos, incluindo um equipado com uma arma antiaérea”, e uma grande quantidade de armas foi “neutralizada”, disse o comunicado.

Outro ataque de helicóptero foi realizado em 30 de dezembro, quando uma “reunião de vários terroristas foi identificada”, também na região de Mopti.

Apoiados por helicópteros Tigre e Gazelle, os comandos da Barkhane colocaram seis “terroristas” fora de ação, enquanto “três indivíduos armados que fugiam da área” foram atingidos por um drone Reaper.

Operação Barkhane

Muitos grupos armados, incluindo o Estado Islâmico, estão ativos no Mali e na região mais ampla do Sahel, mas a maioria dos ataques é atribuída ao JNIM (Jama’a Nusrat ul-Islam wa al-Muslimin’, Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos), que se formou em março de 2017 a partir de uma fusão de vários grupos menores. A liderança do JNIM prometeu lealdade ao líder da Al Qaeda, Ayman al-Zawahiri.

O Mali vem lutando para conter uma insurgência complexa desde 2012, quando um levante separatista tuaregue foi explorado por extremistas islâmicos que tomaram cidades importantes no norte desértico.

A França iniciou sua intervenção militar, Operação Serval, em sua antiga colônia no início do ano seguinte, expulsando os jihadistas das cidades, e a força de manutenção da paz da MINUSMA foi então estabelecida.

Mas os grupos militantes se transformaram em formações mais ágeis, operando em áreas rurais, e a insurgência se espalhou gradualmente para as regiões central e sul do Mali e através das fronteiras, nos vizinhos Burkina Faso e Níger. Grandes áreas do Mali permanecem fora do controle do governo, e o derramamento de sangue interétnico é uma ocorrência regular.

A Serval evoluiu em agosto de 2014 para a Operação Barkhane, e cerca de 4.500 tropas francesas estão posicionadas na região, incluindo cerca de 2.700 soldados no Mali. A Barkhane concentra a atividade no Mali, Níger e Burkina Faso, atingidos por insurgentes, e as tropas trabalham ao lado de outras operações internacionais, incluindo a missão de estabilização da ONU da MINUSMA com cerca de 14.000 soldados no Mali e a Força Conjunta G5 do Sahel (FCG5S), uma força contraterrorista conjunta planejada de 4.500 soldados composta por tropas do Burkina Faso, Chade, Mali, Níger e Mauritânia.

A Barkhane tem uma dimensão internacional crescente, com parceiros europeus enviando mais tropas e equipamentos. A Dinamarca enviou dois helicópteros e até 70 soldados para apoiar a Barkhane e a Estônia quase dobrará o tamanho de seu contingente na Barkhane este ano. Atualmente, os helicópteros Chinook do Reino Unido apóiam a operação.

Os planos franceses para uma nova força-tarefa internacional de operações especiais para o Sahel foram divulgados pela primeira vez no início de outubro e, em 5 de novembro, Parly disse que a França esperava que a nova força – batizada de “Takuba” – fosse desdobrada no Mali até 2020.

A Estônia foi o primeiro parceiro a confirmar um desdobramento de forças de operações especiais em Takuba. Um porta-voz do Ministério da Defesa disse ao The Defense Post que forças especiais serão enviadas para o Mali na segunda metade de 2020 e que essas forças ‘ajudarão, aconselharão e acompanharão’ as Forças Armadas Malianas. A Bélgica e a República Tcheca também sinalizaram sua participação, mas a Alemanha se recusou a ingressar na força-tarefa.

O presidente Macron e os presidentes do grupo de estados do G5 do  Sahel devem se reunir neste fim de semana para discutir a segurança e a presença de forças lideradas pela França na região. Em novembro, Macron disse que a França estava “confirmando e consolidando seu compromisso” com o Sahel, observando que recursos militares adicionais seriam disponibilizados no início de 2020 e que decisões seriam anunciadas em breve sobre a reforma da Força Conjunta do G5 do Sahel.

Em novembro, altos funcionários disseram que os Estados Unidos estão buscando uma reunião da Coalizão contra o ISIS no início de 2020 para se concentrar nas ameaças na África Ocidental e no Sahel.

Original: https://thedefensepost.com/2020/01/10/mali-terrorists-killed-french-commando-operations-barkhane/?fbclid=IwAR1fJ6DZQAlHfIJtWqlY7sMhsnURYR0lrqf4GmwcIcYyeG7bAlc3VaaH840

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.