As profecias bíblicas, Irã, EUA, Israel e a terceira guerra mundial

O Irã entra na história bíblica e profética, ainda como Pérsia, através de seu mais famoso guerreiro e conquistador, Ciro, o grande, que estrategicamente uniu os medos e os persas na conquista da Babilônia (539 A.C.), pondo fim ao império do grande e terrível rei Nabucodonosor. O Império Persa, na época do rei Assuero, descendente de Ciro, se estendia da Índia à Etiópia (Ester 1:1-2).

Foi no governo persa que o povo judeu teve autorização real, apoio político e material para voltar para a terra de Israel, por meio de decreto para restaurar e construir a cidade de Jerusalém e seus muros, conforme Daniel 9:25a: “Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém”. Esse decreto foi dado por Artaxerxes Longimanus, em 445 a.C. (Neemias 2.1-8), dando início à reconstrução da cidade, dos muros e do Templo de Salomão.

Foi, todavia, durante o Império Persa, na época da rainha Ester, que o povo judeu travou uma de suas maiores batalhas pela sobrevivência.

Hamã, inimigo mortal de Israel, ascendeu a ministro do Império, e, de forma vingativa, elaborou a morte de todos os judeus, fazendo a seguinte proposta indecorosa ao rei Assuero: “Se bem parecer ao rei, decrete-se que os matem; e eu porei nas mãos dos que fizerem a obra dez mil talentos de prata, para que entrem nos tesouros do rei” (Ester 3:9).

Ao saber do plano macabro de Hamã, Mardoqueu, o judeu, assistente do rei, mandou avisar à rainha Ester que seu povo, sua família e ela mesma corriam iminente perigo de aniquilação. Ester se colocou diante do rei (Et.5:1-3) e rogou por sua vida e pela de seu povo (Et.7:1-6). Hamã foi desmascarado e executado (Et.7:7-10), e os judeus foram salvos pela intervenção do rei persa. Portanto, concluímos que a relação dos antigos persas com o povo judeu foi positiva no período bíblico.

GOSPEL PRIME

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.